quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Homenagem merecida!


As pessoas e os lugares onde vivem são duas faces da mesma moeda. Um só se define e ganha importância através do outro.

Por isso, fica este post dedicado a uma pessoa que marcou muitas gerações de estudantes (inclusive alguns colaboradores deste Blogue) da academia Vianense, que viam esta Senhora como que a sua Padroeira.

A Dona Otília, era a prova que as gerações podiam conviver sem quaisquer problemas apesar das diferentes mentalidades e valores que as caracterizam. Na sua tasca, num escuro beco do centro histórico de Viana do Castelo, juntavam-se pessoas de todas as idades, estilos e proveniências.

Pela genuinidade de carácter desta grande pessoa, a cidade tinha um pequeno local onde todos se sentiam à vontade. Não importava se se conheciam, que idade tinham ou de onde eram. Ali, todos se sentavam nos bancos compridos, uns ao lado dos outros bebendo pela malga e roendo a broa.


Guardarei inúmeras memórias do champariom e chouriças assadas a preços disparatados (no bom sentido) que alegraram milhares de pessoas durante décadas a fio. Só haviam três bebidas. Vinho, cerveja, ou vinho com cerveja.

A devoção das pessoas à D. Otília esteve patente durante toda a sua vida. Geralmente, só se lembram dos ícones nas horas das suas mortes mas, com ela, era diferente. Bastava ver as paredes da tasca forradas com mensagens antigas com décadas até às recentes, de ontem, onde a estima dos clientes por aquela pessoa e àquele lugar estava expressa de todas as formas possíveis.


Desde poesia a desenhos artísticos.

Igualmente para sempre ficará o movimento que uniu os estudantes contra a decisão da Câmara Municipal de encerrar a "Espanhola". Um abaixo assinado que relegou para segundo plano todas as normas de higiene e pudor oriundo dos snobs de Lisboa.

A Espanhola era uma tasca verdadeira. Não fingia ser coisa que não era e, por isso é que todos gostavam dela. E era por isso que ela gostava de nós. Da juventude dos seus clientes, retirava ela a sua!

Com a partida da D. Otília, perdeu-se a Espanhola. Nem valeria a pena defender o espaço visto que a sua cara já não existe. No entanto, as memórias de quem a frequentava nunca serão apagadas.

Pena também que um pouco por todo o lado venham a desaparecer estas pessoas e esses espaços. Lugares onde os tempos antigos se fundiam na perfeição com os presentes e onde se antevia sempre um futuro harmonioso.

Por mim, trocava todas as normas de higiene pela alma desse tipo de pessoas.

Saudades já vinha tendo há muito de passar pela Espanhola antes de uma noite de festa académica. Ou um petisco ao fim da tarde que, pela sua qualidade, se prolongava pela noite e repercutia-se na manhã seguinte.

Porém, agora que que sei não mais poder la voltar, sinto um pequeno vazio em mim. Um que só é preenchido pelas fotografias digitais e mentais, que guardarei para sempre deste local de culto de Viana do Castelo.

Até sempre D. Otília!!!

http://dn.sapo.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=1443363&seccao=Norte
http://noticias.sapo.pt/lusa/artigo/10437805.html
http://jn.sapo.pt/paginainicial/pais/concelho.aspx?Distrito=Viana%20do%20Castelo&Concelho=Viana%20do%20Castelo&Option=Interior&content_id=1442990

5 comentários:

Jorge Mendes aka DV disse...

O meu irmão Paulo César apontou-me para este post. Eu estudei na ESTG de Viana entre 93 e 96, mas estive por Viana até 2002. Claro que fui muitas vezes à «Espanhola», que era uma das rotinas de Quinta à noite. Era um ambiente de tasca verdadeiro, onde eramos recebidos como netos da D.Otília, como noutras tascas que conheci bem, o facto de estar uma mulher sozinha, já na altura até com algumas dificuldades de locomoção, nunca foi motivo para algazarras ou faltas de respeito. Com esta notícia sinto que é um pedacinho da minha Viana que desaparece, mas não esquece. Obrigado pelo post.

O Galaico disse...

Ola Sr. Jorge Mendes,

De facto, se houve lugar de respeito foi a Espanhola.

A perda desta mulher e deste espaço é algo de muito triste para quem conheceu .

As futuras gerações só poderemos contar com saudade os momentos lá vividos.

Obrigado pelo comentário.

Maria disse...

Eu nunca estive na Espanhola, mas depois de ler este teu post cheio de sentimento, também eu sinto nostalgia e saudade... obrigada pela partilha.

Elaneobrigo disse...

"muito boas noites meu rico menino"

dona otilia... que pena...

fiquei triste por tamanha perda sinto uma pequena revolta de nos ultimos 2 anos nao mais la tervoltado...

até me passou pela cabeça fazer lá a minha despedida de solteiro mas já não vou a tempo...

sinto um certo orgulho de poder contar as geracoes futuras o fascinio que nos meus tempos de estudantes existiu por esta senhora e pela sua incomparável tasca vianense...

ali conviviam os mais altivos dos snobes, os drogaditos da esquina, o rebelde do bairro, as miudas mais bonita da faculdade, os metaleiros,os rasta men, os cranio da faculdade, os turistas, o tudo o que possa imaginar.... era engracado.

cada vizita a dona otilia era uma dose letal de ternura e alcool acompanhada com tremoso ou chourica assada... no minimo marcante...

a maioria dos estudantes frequentava a Espanhola com a mesma frequencia que se vizita a casa dos avós... de vez enquando lá se juntava um grupo ou outro e em romaria iamos confraternizar com dona otilia.

hoje dou mais valor, nao porque ela morreu mas porque reconheco que ja nao existe nada assim...

uma verdadeira tasca.... nao e facil encontrar...ainda por cima gerida por uma senhora tão amável e carismática como dona otilia... tudo o que dizia enfeitiçava os corações e confortava a alma.

ela falava da perda do marido, das dificuldades da vida, da alegria de coração, sempre pronta a um afecto... uma verdadeira DIVA.

se a imortalidade é a nossa luta do dia a dia, esta senhora é uma vencedora...

Paz a Sua Alma.

Elaneobrigo disse...

lembrei-me agora que os orgãos responsáveis da cidade de Viana do Castelo, desde camara, instituto Superior, associação comercial, região de turismo deveriam fazer um esforço para homenagiar esta senhora com uma estátua/memoria em honra de dona otília.

ou então mudar o nome de "rua do Vilinho" para rua "dona otilia"...

fica a sugestão.. pode ser que alguem ache esta ideia interessante!