segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Uma T-Shirt e um Cavaquinho!

A causa Galaico-Portuguesa está bem presente.

De vez em quando, se estivermos atentos, podemos ver sinais que as pessoas dedicadas ao tema existem, são bastantes e, além disso, afirmam os seus ideais.

Desta vez, ao pesquisar ao acaso no Youtube, encontrei este tocador de cavaquinho a executar um Vira Minhoto.

Apesar de bem executado, o que mais gostei foi a T-Shirt.

4 comentários:

Clara disse...

Galaico,

O texto que deixaste no meu post sobre a "A Idosa" emocionou-me. Ao ler-te vi, admiravelmente, a "velha", como se estivesse mesmo à minha frente.

Essas mulheres impressionam-me. Tenho uma profunda admiração pela força e coragem que carregaram ao logo da sua vida. Para a sociedade actual, não passam de simples mulheres lavradeiras, a maioria das quais analfabeta e ignorante sobre “as coisas da vida”. Como a sociedade está errada! Elas poderão estranhar este mundo surreal onde as relações se vivem através de um monitor e de um teclado (esquisitos conceitos para estas pessoas), onde o respeito pelos valores é invisível, onde a gastronomia perdeu o sabor característico da sua juventude… Mas sabem tanto, mas tanto sobre o mistério do desenrolar de uma vida! Possuem a Sabedoria que não se aprende nos livros, não se vê na televisão, não se pesquisa na Internet.
Em relação à tua “velha”, concordo contigo. Ela tem um segredo. Um segredo que deveria ser escutado.

Obrigada pela tua partilha.

Clara disse...

Galaico,

em relação às "crianças", confesso que fui uma privilegiada por ter crescido no campo. Por ter ouvido os meus avós desfiarem provérbios e outras sabedorias enquanto nos aquecíamos à frente da lareira. De ajudar a minha avó a amassar a massa para o pão de milho. De ouvir os vizinhos a dizerem bem alto “torna” no tempo das vindimas. De olhar deslumbrada e com inveja os mesmos vizinhos a pisarem as uvas. Sinto-me privilegiada por ter tido a oportunidade de andar em cima de um carro de bois e ver os bezerros a nascer. Sinto-me privilegiada por ter usufruído este mundo dos meus avós e por todas as oportunidades "modernas" que os meus pais me concederam.

Por isso, sou como tu. Tive os melhor dos dois mundos.

O Galaico disse...

Clara,

O "Torna" está na moda esta semana!

Sábado serei eu a mandar uns Tornas á maneira!!

Quanto ás nossas velhotas, entristece-me saber que pessoas deste tipo estão em vias de desaparecimento...

Daqui uns anos, as gentes com educação e vida tradicional deixarão de existir.

E aí? Onde iremos buscar a nossa identidade?

Elaneobrigo disse...

também nasci e foi criado no meio de dois mundos... o rural e o global... e tudo se perdeu na nossa geração! lamentamo-nos mas não podemos fazer muito mais pois a vida capitalista e o sistema montado ao nosso redor assim o exige! veja-se que é proibido matar o porco à moda antiga e as escolas na maioria das aldeia vão fechar!