domingo, 11 de março de 2012

A Seca!

O Noroeste ibérico é uma região atípica dentro da península ibérica.

A sua verdura estonteante tem impressionado olhos, corações e inspirado as almas dos poetas (pelo menos até ao início da devastação urbanística moderna) desde sempre. O contraste paisagístico entre o Sul/Interior e o Noroeste é brutal e, como o homem é resultado do ambiente onde vive, também as pessoas são diferentes.

Escusado será dizer que toda essa riqueza paisagística e humana é fruto de um elemento específico. Nele podemos concentrar todas as razões para sermos o que somos e termos vivido de uma determinada forma até ao presente.

Falo da ÁGUA.

Exemplo típico de uma superfície frontal que foram nulas este ano

A chuva, oriunda das superfícies frontais, por norma frequentes no NO, é uma visitante tradicional das nossas terras durante muitos meses do ano. A orografia da região, com as suas montanhas que chegam aos 1500m a curta distância do litoral, transformam nebulosidade em precipitação em dias que, no resto do litoral Ibérico, apenas se vêem nuvens altas. Assim, o Maciço Gereziano e seus adjacentes (Cabreira, Barroso, Xurês etc) tornam-se dos pontos com maior pluviosidade da Europa com cerca de 3000mm anuais. Esta abundância é depois repartida através de milhares de riachos e ribeiros que desaguam nos muitos rios da região fertilizando, ao mesmo tempo que produzem força mecânica, os verdejantes vales.

A quantidade de chuva que habitualmente nos chega permitiu que o nosso modo de vida, e paisagem, fossem considerados "Atlânticos", mais típicos da Europa média, do que propriamente Ibéricos ou "Mediterrânicos", como alguns mais distraídos ainda nos querem adjectivar.

É a abundância de água que tornou possível o modo de vida tradicional da região

A cultura do Milho Grosso, o cultivo do Campo / Prado, a policultura e a imensa variedade de actividades (Litoral, Ribeirinha, de Vale, de Montanha etc.) presentes nesta região apenas é (foi) possível devido às características de uma terra que, em pleno Agosto, conseguia tratar de milhares de hectares de milherais em regime de regadio aberto enquanto grande parte da península sofria dos malefícios de uma estação quente prolongada e intensa. Coisa que, no NO, não era comum.

Registo oficial da maior seca da história moderna

Falamos deste tema da seca porque, efectivamente, estamos a viver o PIOR ANO DESDE QUE HÁ REGISTOS EM PORTUGAL. Ou seja, desde 1931 que não tínhamos um inverno tão seco. De Janeiro a Março a precipitação ocorreu apenas em 4 dias e conseguimos encontrar-nos em seca EXTREMAMENTE SEVERA em pleno Inverno.

Silenciosa, e persistente, estamos a presenciar a seca mais catastrófica de que há memória.

__________________________________________________________


Ainda a semana passada fui lanchar a uma célebre taberna regional onde encontrei o Sr. Ribeiro. Um homem perto dos seus 80 anos. Nascido lavrador à moda antiga e que, como os da sua geração, fez vida no estrangeiro. Voltou para passar os seus "dias de Ouro" cultivando os campos a seu belo prazer.

Hoje, quase cego, lamenta-se de que nunca vira um ano como esse. Poço quase vazio, erva para o gado que não cresce, fruteiras e videiras a rebentar meses antes da hora.

Conversando um pouco, lá me revelou como, no tempo dele, as pessoas lidavam com as secas que, aparecendo de vez em quando, mas nunca com a frequência e dimensão das que temos verificado nas últimas duas décadas, assolavam as suas terras e punham em causa a sobrevivência alimentar do ano.


"Bem, isso não é do teu tempo! Nem se calhar do do teu pai! Mas olha, lembro-me de um ano, que de Março a Julho nem uma gota caiu. A terra parecia pó e o milho, que tinha de ser regado, estava prestes a secar. E já muito prejuízo havia por aí fora. O rio Ave nem conseguia que os moinhos trabalhassem, mais parecia um ribeiro!

Capela da Santa Marta das Cortiças - Serra da Falperra

Ora, quando isso acontecia, o povo reunia-se e subia à Santa Marta das Cortiças. Fazíamos uma procissão e vinha povo do lado de Braga e do lado de Guimarães. Tirávamos a Santa da ermida, davam-se 3 voltas à mesma e passava-se pelos passos que lá estão. Uma vez disseram-me que até foram até à Sé de Braga com a imagem tal era a aflição. É que naquele tempo se não se colhesse podia-se morrer de fome!"

A subida à Citânia em honra de São Romão, o padroeiro deste monte, ainda se realiza

" Mas olha que não era só essa procissão que se fazia! Também em Briteiros, subíamos ao monte da Citânia, que se chama São Romão, e fazíamos o mesmo. Ia tudo por lá fora a rezar, entrávamos na cidade dos "Mouros" e trazíamos a imagem do Santo que estava lá na ermida. Descíamos até a aldeia e voltávamos a levá-la para cima."

"Se queres que te diga sei lá se dava resultado ou não. Mas sei que quando o fazíamos chovia passado algum tempo. Mas por certo que iria chover mais cedo ou mais tarde. Era a nossa fé, é o que era. Antigamente Deus mandava. Agora ninguém manda em nada."

Curiosamente, choveu efectivamente depois de invocarmos as memórias e crenças de outros tempos!

Após essa pequena conversa, que não foi propriamente reveladora, pois esse tipo de tradições é bastante comum, (apesar de ganhar sempre encanto quando o orador fala de algo que presenciou e que nunca mais será repetido), choveu durante dois dias seguidos. Uns míseros 15 mm que apenas veio limpar o pó do ar.

Ainda acerca destes comportamentos de fé, fica a participação do Fernando Barros:

"... Num noroeste profundamente rural até há poucas décadas, e bastante agrícola ainda nos dias de hoje, anos de seca eram anos de fome, má produção agrícola, desespero. Se hoje em dia as crises e prosperidades se regem por princípios economicistas, especulação bolsista, ratings, FMI's, troikas e outras coisas que tal, antigamente crise e prosperidade era completamente dependente de pragas, pestes, e sobretudo do clima; bons e maus anos agrícolas estavam intimamente dependentes desse factor...

E como muitas das vezes o povo "só se lembra de Santa Bárbara quando troveja", em tempos de seca faziam-se promessas, oferendas e sobretudo romagens pedindo chuva a todos os santos e mais alguns...

Sant'Ana mandai-nos água
Por vosso devino amor

Respondia o bêbado, no meio da procissão:

"p'ra mim BINHO
Senhor'Ana faz favor..."

Na minha terra (S. Pedro do Vale, Arcos de Valdevez), reza a lenda que a Senhora aparecida entre penedos próximo do local onde se situa a Igreja Paroquial setecentista, esteve em tempos em Refóios do Lima, então também pertencente às Terras do Valle do Vez e a devoção das gentes de Refóios à Senhora do Vale perdurou.
Em anos de seca organizavam-se os chamados "clamores", que da Igreja de Refoios romavam dezenas de quilómetros até à de S. Pedro do Vale, pelo caminho outros romeiros, agricultores sedentos de chuva a eles se juntavam. Vinham cantando e pedindo a chuva que lhes regaria os campo, traziam como oferta razas de milho e feijão. Reza a história que na ida já os primeiros chuviscos de faziam sentir... milagrosa a santa...

No entanto, além dos chuviscos (água) que vinham pedir, no caminho de regresso havia também o habitual molho (porrada) que se devia sobretudo às pingas, não de chuva mas de VINHO VERDE que lhes escorregavam pelas goelas no caminho de volta. E reza a lenda que, nesse caminho de regresso, a cruz processional e os paus das bandeiras, eram óptimos auxiliares de contendas, que o nosso povo sempre foi óptimo jogador de pau... e assim, porrada na romaria, vandalização e mau uso das alfaias agrícolas e os padres chateavam-se.
E a tradição acabou...

Acabou não só a tradição das romagens como também a forte dependência das culturas agrárias e, assim sendo, do clima .Há muitos anos que Refoios não vem ao Vale mas fica a tradição e a lenda..."
__________________________________________________________

Mais do que um mero relato acerca de antigos comportamentos, o que mais nos marca era a forma atenta como as gentes olhavam para a realidade. Porque, efectivamente, realidade é a Natureza. É o céu, a terra, a água, o fogo. São as estações, os frutos e tudo demais que nos permite viver.

Quando, hoje em dia, se ouvem comentários de pessoas que se congratulam por termos um inverno de Sol e sem chuva, não sei se o mundo evoluiu ou regrediu. Para todos os efeitos, em termos Humanos, nunca estivemos num buraco tão fundo.

6 comentários:

Paulo César disse...

O mundo evoluiu, prova disso ė este meio de comunicar, por exemplo. O preço a pagar por isso ė que será talvez elevado, um bom exemplo são tambėm as alterações climáticas.
Quanto ao texto/relato do Fernando Barros, a trovoada não era com São Jerónimo ?

Gael - Thiago Gomes da silva disse...

É importante diferenciar Evolução de Progresso! Pessoalmente estou cada vez mais convencido de que esse reinado dos valores judaico-cristãos, que já dura quase 1800 anos, não parou de PHORD$%¨&& o mundo até hoje. Nietzsche já havia sacado como os mesmos valores se refletem, de forma consciente ou não, em estruturas político-filosóficas como o Comunismo ou até mesmo na própria concepção de Ciência evocada pelo positivismo desde o século XIX. Com a vitória destes valores, aquilo que era grandioso e cultivado pelos antigos, justamente a moral aristocrática guerreira, deixou de vingar a tempos......

O Galaico disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
O Galaico disse...

Bem vindo Gael,

Pessoalmente, acho que os valores Judaico-Cristãos não são os mais nefastos.

Piores são os valores das democracias baseadas no capitalismo.

Esses são os que cegam as pessoas HOJE EM DIA. As religiões, quase todas, são hoje mais ou menos compatíveis com os paradigmas sociais actuais.

Há mais tolerância e modos totalmente distintos de interpretar os valores...

pedro mendes disse...

A questão maior será saber se conseguimos encontrar um equilíbrio sadio entre aquilo que é a evolução e a sustentabilidade. Esse tem de ser o verdadeiro debate.

Ideias e ideais podem defender uma coisa ou outra, mas a capacidade e os escrúpulos para evoluir ou progredir conscientemente é o verdadeiro desafio para ambos os lados.

Discussão empírica à parte, está ali uma punheta de bacalhau da Maria Joaquina?

O Galaico disse...

Pedro, a punheta da Maria Joaquina é um marco histórico-cultural deste nosso pequeno cantinho.

As punhetas dela marcaram gerações inteiras que ainda hoje se juntam para delas desfrutar.

Escusado será dizer que devemos aproveita-las enquanto que a idade, ou a ASAE, não nos as roube.

Não há local melhor para conversas empíricas do que sentado à sua lareira, a provar um tinto da casa (que não é especialmente valioso em termos enólogos, mas o é no aspecto social), e degustando a punheta com amor realizada.