sábado, 4 de abril de 2009

Estado Novo, Genocidio Cultural e a Morte de um Povo!


"Castro de Laboreiro,24 de Agoste de 1948 - Estas pequenas comunidades que nos restam, Rio de Onor, Vilarinho da Furna, Laboreiro, etc., estão na última agonia. O Estado já não as pode tolerar, alheias à vida da nação, estrangeiras dentro do próprio território. Por isso manda-lhes ao coração o golpe de uma estrada e a isca da caminheta dum sardinheiro. E assim, um a um se vão apagando estes pequenos enclaves, não digo de paradisíaca felicidade, mas de humana e natural liberdade. Uma vida social assim, apenas acrescentada de ciência e cultura seria ideal. Antes de mais, o homem começou aqui por formar uma consciência cívica e fraterna, fundada em amor, e fez depois as reformas consoantes. Mas parece que se resolveu matar primeiro o homem e sua harmonia espontânea, e construir então sobre cadáveres o futuro."

(Miguel Torga, Diário IV)


Gerês, 6 de Agosto de 1968 - Derradeira visita à aldeia de Vilarinho da Furna, em vésperas de ser alagada, como tantas da região.

Primeiro, o Estado, através dos Serviços Florestais, espoliou estes povos pastoris do espaço montanhês de que necessitavam para manter os rebanhos, de onde tiravam o melhor da alimentação — o leite, o queijo e a carne — e alicerçavam a economia — a lã, as crias e as peles; depois, o super-Estado, o capitalismo, transformou-lhes as várzeas de cultivo em albufeiras — ponto final das suas possibilidades de vida. E assim, progressivamente, foram riscados do mapa alguns dos últimos núcleos comunitários do país.

Conhecê-los, era rememorar todo um caminho penoso de esforço gregário do bicho antropóide, desde que ergueu as mãos do chão e chegou a pessoa, os instintos agressivos transformados paulatinamente em boas maneiras de trato e colaboração.

T
alvez que o testemunho de uma urbanidade tão dignamente conseguida, com a correspondente cultura que ela implica, não interesse a uma época que prefere convívios de arregimentação embrutecida e produtiva, e dispõe de meios rápidos e eficientes para os conseguir, desde a lavagem do cérebro aos campos de concentração.

Mas eu ainda sou pela ordem voluntária no ócio e no trabalho, por uma disciplina cívica consentida e prestante, a que os heréticos chamam democracia de rosto humano. De maneira que gostava de ir de vez em quando até Vilarinho presenciar a harmonia social em pleno funcionamen
to, sem polícias fardados ou à paisana. Dava-me contentamento ver a lei moral a pulsar quente e consciente nos corações, e a entreajuda espontânea a produzir os seus frutos.

Regressava de lá com um pouco mais de esperança nos outros e em mim.


Do esfacelamento interior que vai sofrer aquela gente, desenraizada no mundo, com todas as amarras afectivas cortadas, sem mortos no cemitério para chorar e lajes afeiçoadas aos pés para caminhar, já nem falo. Quem me entenderia?"

(Miguel Torga, Diário XI)

Requiem

Viam a luz nas palhas de um curral,
Criavam-se na serra a guardar gado.
À rabiça do arado,
A perseguir a sombra nas lavras,
aprendiam a ler
O alfabeto do suor honrado.

Até que se cansavam
De tudo o que sabiam,
E, gratos, recebiam
Sete palmos de paz num cemitério
E visitas e flores no dia de finados.
Mas, de repente, um muro de cimento
Interrompeu o canto

De um rio que corria
Nos ouvidos de todos.
E um Letes de silêncio represado
Cobre de esquecimento

Esse mundo sagrado
Onde a vida era um rito demorado

E a morte um segundo nascimento.

Miguel Torga

Barragem de Vilarinho da Furna

18 de Julho de 1976

4 comentários:

Elaneobrigo disse...

fantástico..fantástico..fantástico.
nem palavras tenho para descrever o contentamento que tive ao ler este post....

Ana disse...

Maravilhoso!!!
Gosto muito de Miguel Torga(conheci-o pessoalmente)
Beijinho

Fernando_MC_Barros disse...

Obrigado...
O merito e todo do grande MIGUEL TORGA...e pena textos tao bonitos serem escritos por razoes tao tristes...

O Galaico disse...

Miguel Torga é o verdadeiro autor Galaico. Os seus temas dedicam-se inúmeras vezes À terra e gentes do Norte.

Seria um grande colaborador do OGALAICO!!

Ana, conheceste-o pessoalmente??

Como foi isso??