sábado, 27 de dezembro de 2008

Antigos sacrifícios....

Muito ficou documentado acerca das práticas religiosas dos nossos antepassados. Os Romanos muitas vezes se referiram aos processos de oferendas que os antigos Galaicos utilizavam nas suas relações com os Deuses.

Arqueológicamente existem vários locais e evidências que suportam os relatos dos geógrafos do Império. Desde santuários de sacrifícios passando por representações em pedra ou ferro, os costumes daquele tempo demonstravam a relatividade que a vida então tinha.

Leiam este documento para toda a informação: http://www.uwm.edu/Dept/celtic/ekeltoi/volumes/vol6/6_6/marco_simon_6_6.pdf

Aí está o célebre Carro Votivo de Paredes, a mais valiosa peça da Sociedade Martins Sarmento e uma referência Mundial sobre o assunto.

Representa o transporte de virgens e de animais para o sacrifício. Note-se a particularidade dos bois estarem virados para ambos os sentidos representando a ida e a volta.

Junto a este magnifico exemplar jazia igualmente uma espada com que provavelmente seriam executadas as vítimas.

Os nossos antepassados tinham por hábito cremar partes dos corpos em estranhas covas esculpidas em rochas. Estes locais que podem ainda ser visitados quase anonimamente teriam sido aterradores santuários de oferendas.

Assim se celebravam equinócios, apaziguavam Deuses e se pedia boa sorte. Assim se morria à força ou, quem sabe, com honra. No entanto, estes objectos e locais não deixam de nos fazer sonhar e estremecer...

4 comentários:

Maria disse...

Não me parece que a tua associação da Pedra Tau a antigos sacrifícios esteja correcta. Os sacrifícios podem ter acontecido numa época tardia, mas a veradeira e primeira finalidade da Pedra Tau acredito que seria outra...

Robert Charroux afirmava que as pedras baptismais das igrejas tinham a sua origem nas antigas cúpulas célticas onde a água nunca se esgotava - que teriam igualmente uma função iniciática.

Actualmente, é muito difícil encontrar ainda essas velhas cúpulas célticas, essas pias nas rochas em que a água-mãe nunca se esgota, mesmo em verões muito quentes.

O Galaico disse...

Maria,

Eu só me posso basear naquilo que li ou naquilo que me ensinam.

Até agora apenas tinha lido referências as estas pedras no sentido de sacrifício.

No entanto é fácil perceber que estes locais sendo "mágicos" pela inesgotável fonte de água pudessem ser igualmente utilizados como locais de comunicação providenciais com as divindades.

Como sabes, as pessoas não vão e muito menos iam antigamente fazer rituais a qualquer esquina.

Acho que as pedras, sendo realmente especiais devem ter sido usadas desde sempre em várias situações...

Por ex. As pedras formosas tanto eram usadas no dia a dia dos povos Galaicos como eram também empregues em momentos especiais de transição social divina..

Elaneobrigo disse...

a simbologia da água era quase que infinita.

poderia ser utilizada para fim iniciáticos, oferendas ou sacrificios.

a relação com a água correspondia a uma ideologia circular; vida, criação, morte e destruição.

emgloba tudo.

se repararem, para os celtas ou galaicos cada elemento tinha obrigatoriamete mais que um significado, quer tratando-se de um nome, simbolo ou elemento da natureza.

simbologia multifacetada.

Clara disse...

Andava a pesquisar o blogue sobre o Ritual de "Matança do Porco" na região do Minho (Guimarães, Póvoa de Lanhoso, Amares, Terras de Bouro e Vieira do Minho)* e encontrei, mais uma vez, uma fotografia sobre a Pedra Tau. Já agora, esta pedra tem o nome de Pias dos Mouros, nome dado pelas gentes da freguesia.


*Seria pedir muito uma orientação teórica sobre este assunto? Sei que existem muitos livros sobre o assunto, mas não encontro nada sobre as regiões que mencionei!

Obrigada!