quarta-feira, 10 de junho de 2009

A Coca de Monção

Acerca de mais um emblemática celebração desta época:


"Nas margens do rio Minho onde as veigas verdejantes da Galiza se alcançam em duas braçadas, as gentes minhotas do concelho de Monção mantêm um velho costume que consiste em celebrar todos os anos, por ocasião dos festejos do Corpo de Deus, o lendário combate travado entre S. Jorge e o Dragão. A luta tem lugar na Praça de Deu-La-Deu cujo nome consagrado na toponímia local evoca a heroína que com astúcia conseguiu que as forças leonesas levantassem o cerco que impunham àquela praça. Perante uma enorme assistência, a coca - nome pelo qual é aqui designado o dragão ! - procura, pesadamente e com grande estardalhaço, escapar à perseguição que lhe é movida por S. Jorge que, envolto numa longa capa vermelha e empunhando alternadamente a lança e a espada, acaba invariavelmente por vencer o temível dragão.

O dragão é representado por um boneco que se move com a ajuda de rodízios, conduzido a partir do exterior por dois homens e transportando no seu bojo outros dois que lhe comandam os movimentos da cabeça. Depois de o guerreiro lhe arrancar os brincos que lhe retiram a força e o poder, a besta é vencida quando S. Jorge o conseguir ferir mortalmente introduzindo-lhe a lança ou a espada na garganta, altura em que de uma bolsa alojada do seu interior escorre uma tinta vermelha que simula o sangue da coca.


Esta tradição que representa a supremacia do Bem sobre o Mal encontra-se intimamente ligada às lutas travadas pela soberania nacional, sendo notória a utilização dos símbolos portugueses por parte de S. Jorge. Com efeito, este culto foi introduzido no nosso país pelos cruzados que vieram combater nas hostes de D. Afonso Henriques nomeadamente a quando da tomada de Lisboa aos mouros. A sua invocação em forma de grito de guerra começou contudo durante o reinado de D. Afonso IV e teve como objectivo demarcar-se da invocação de S. Tiago que era feita pelos exércitos leoneses. Mas foi sobretudo a partir do reinado de D. João I que este culto veio a adquirir verdadeira dimensão nacional, passando a partir de então a sua imagem a integrar a procissão do Corpo de Deus. Ainda hoje, a sua simbologia é empregue nos meios castrenses, principalmente para representar o exército português.


O culto a S. Jorge que ainda se pratica em Portugal e cuja festa da coca que se realiza em Monção constitui um exemplo do seu cunho popular, possui as suas origens em antigas tradições da Síria segundo as quais, S. Jorge foi um valente soldado da Palestina que, por ter confessado a sua fé cristã, veio a ser feito mártir. Na Idade Média vieram a criar-se numerosas lendas à sua volta, uma das quais relata ter existido em Silene, cidade da Líbia, um terrível dragão ao qual o povo oferecia sacrifícios humanos.

Tendo em dada altura caído a sorte à filha única do rei, S. Jorge, que acabava de chegar àquela cidade na altura precisa em que a vítima ia ser imolada, prestou-se para a libertar, o que conseguiu. Uma vez derrotado o dragão, rei e povo converteram-se de imediato ao cristianismo. O folclore não se resume à reconstituição das danças e cantares de um povo, do seu traje ou da exemplificação de alguns costumes ligados ao trabalho ou à festa. Ele constitui a história não esrita do povo e engloba toda a sua cultura não assinalada na sua história e na sua religião. Por outras palavras, o folclore ocupa na história de um povo um papel semelhante ao que o costume, ou seja, a lei não escrita, ocupa em relação às leis codificadas.


De origem saxónica, o termo folclore teve o seu aparecimento pela primeira vez há século e meio e quer dizer a ciência ou o saber do povo. Considerada como uma das variantes da Etnografia e frequentemente confundindo-se com esta, o folclore estuda especialmente as tradições populares isto é, o traje, as canções, as danças, as lendas, as superstições, os jogos, os adágios, as festas, a religião e até a medicina, nomeadamente a sua própria representação. Estas fazem parte da identidade de um povo - são raízes de Portugal!"

In: http://www.raizesportugal.com.br/cgomes/coca.htm

Fica ainda por, indicação de um leitor do OGalaico, uma festividade semelhante do outro lado da fronteira.

Mesmo povo, mesmas tradições.

http://www.turismoredondela.net/gal_f_coca.php

5 comentários:

Maria disse...

A serpente ou o dragão é um dos temas mais profundos e secretos da espiritualidade arquetipica de Portugal, não fosse nosso o caminho da serpente...

Na iconografia cristã, são 4 os santos que lutam e submetem o dragão: o Arcanjo São Miguel, São Jorge, Santa Marta ou Santa Margarida. É sempre uma representação da luta do Bem contra o Mal, e o dragão representa, entre outras coisas, o primitivo culto pagão que o cristianismo substituiu.

É, contudo, uma simbologia complexa, de cariz iniciático e mitológico. O simbolismo da donzela capturada e mantida por um dragão que um cavaleiro vem libertar, é uma das lendas comuns a estas lutas. Repete-se, assim, a coreografia astronómica da luta de Perseu com o dragão marinho, matando-o e libertando desse modo a donzela Andrómeda, filha de Cassiopeia, que iria ser sacrificada ao dragão.

É um velho ensinamento que vem de outro tempo - como nos diz Paulo Pereira -, quando o polo celeste não se situava ainda no ponto que agora ocupa no céu a estrela polar, devido à precessão dos equinócios. Cerca de 4000 anos A.C. a estrela polar era uma das estrelas da cauda de Draco. A constelação da Ursa Menor girava nessa altura em redor da estrela Alpha Draconis e o seu desenho no céu evocava a suástica.

Hum, acho que é melhor ficar por aqui, senão acontece o mesmo que aconteceu com o meu comentário sobre a pedra dos mistérios, que não foi publicado! :P

O Galaico disse...

Olá Maria,

Bem vinda de volta. Como vão as coisas?

Obrigado pela explicação dos significados ocultos que só tu sabes esclarecer!

Quanto ao comentário da pedra, asseguro-te que não recebi nada...

Mas gostaria de saber a tua interpretação!

Cumprimentos!

Anónimo disse...

Nom sei ate donde tem relaçom... mas assi se celebra o corpus na minha vila natal
http://www.turismoredondela.net/gal_f_coca.php

penso que no norte de Gallaecia nom e comum, de feito, e o unico lugar de Galiza que conheço com festa da coca, dança das espadanas, penlas, etc., desconheço qual pode ser a causa

http://anecdotarioredondelan.jimdo.com/a_festa_de_corpus_ou_da_coca.php

Depois de ver aqui a de Monçao (a 30 ou 40km de Redondela), quedaron-me ganas de ir tamem :)


Saudinha!

O Galaico disse...

Sr. Anonimo,

Obrigado pela indicação desta festividade semelhante que, comprova que os hábitos lendas e tradições nos são comuns.

Adicionei o link ao post.

Obrigado e vá passando.

Fernando_MC_Barros disse...

Alias...o interesse disto era mesmo o de verificar a relaçao entre MONÇAO e REDONDELA...que eu ja conhecia, mas que por lapso de memria e falta de tempo nao consegui colaborar correctamente...ficando assim a referencia feita pel' "O GALAICO" a de MONÇAO...