terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Ouro - Um Precisoso Legado

OS PRIMÓRDIOS DA METALURGIA DO OURO
Os primeiros objectos em ouro, na Europa, datam do Vº milénio a.C. e foram produzidos na região balcânica. O Sul e o Ocidente da Península Ibérica constituem um segundo importante centro produtor da ourivesaria europeia, embora mais tardio. Aqui, o ouro começou a ser trabalhado durante o IIIº milénio a.C., praticamente em simultâneo com a metalurgia do cobre, ou seja, com o desenvolvimento do Calcolítico, ou Idade do Cobre.

A Idade do Bronze, traz uma importante inovação tecnológica: a moldagem. Generalizam-se os adornos fundidos em moldes, entre os quais avultam os braceletes maciços de secção circular ou ovalada. A decoração geométrica, ganha expressão, tornando-se cada vez mais rica e exuberante: losangos, triângulos e ziguezagues, organizam-se em composições de grande beleza e complexidade, sobre peças cada vez mais pesadas, numa clara exibição de ostentação simbólica do Poder.
APOGEU E REVOLUÇÃO NA OURIVESARIA
Durante o final da Idade do Bronze, a fachada atlântica europeia, desde Portugal até à Irlanda, encontrava-se ligada por uma complexa rede de trocas. O metal que, então, circula como matéria-prima ou como produto acabado é o principal protagonista deste comércio a longa distância. E para garantir o sucesso destes empreedimentos, assim como o precioso controlo e acesso às jazidas de minerais, trocam-se presentes entre chefes, cuja influência e poder são medidos pelo tamanho, número e peso das jóias e armas que ostentam.
Ao domínio e aperfeiçoamento dos procedimentos tecnológicos já anteriormente conhecidos, juntam-se agora inovações de grande importância, como a técnica da cera perdida e a soldadura, permitindo a obtenção de novas formas, cada vez mais pesadas e sobretudo cada vez mais elaboradas. A ourivesaria deste período tem em Portugal algumas das suas mais brilhantes expressões, verdadeiras obras-primas da arte e do saber dos antigos ourives: o colar da Herdade do Álamo ou os braceletes da Cantonha.

Podem individualizar-se, neste período, três grandes “famílias” de jóias: anéis e braceletes, obtidos pela técnica da cera perdida; torques e braceletes maciços, onde está presente a técnica da soldadura e uma típica decoração geométrica; e colares com complicados sistemas de fechos amovíveis, que chegam a pesar mais de 2Kg.
A OURIVESARIA ORIENTALIZANTE
Os contactos entre a Península Ibérica e o Mundo Mediterrânico, por certo muito antigos, ganham uma extraordinária importância a partir do século VIII a.C., com o estabelecimento de um comércio regular, protagonizado pelos Fenícios. Sob a área de influência de Tartessos, desenvolve-se no Sul da Península uma brilhante civilização que incorpora nas suas tradições os hábitos, gostos e maneiras de viver novos, característicos do Mediterrâneo Oriental.

A ourivesaria é talvez a área que mais acusa estas profundas alterações: à pesada e maciça ourivesaria que caracteriza a Idade do Bronze, sucede-se uma produção que privilegia a leveza. A ourivesaria orientalizante define-se assim, por uma acentuada perda de peso, por uma alteração intencional da qualidade do ouro, através do uso de ligas com diferentes percentagens de outros metais e pela introdução de duas novas técnicas - a filigrana e o granulado.
Alarga-se também o repertório das formas, predominantemente ocas e compósitas: diademas e placas articuladas, colares de contas diversificados, amuletos, anéis e sobretudo as arrecadas, que, em Portugal, encontraram um sucesso e adesão tais, que são, ainda hoje, verdadeiros ex-libris da joalharia portuguesa.

A OURIVESARIA CASTREIJA DO NORTE DE PORTUGAL
No Norte de Portugal, desde os finais da Idade do Bronze e até à conquista de Roma, sedimenta-se uma realidade cultural muito própria, a que é costume chamar “Cultura Castreja”, por um dos seus traços mais emblemáticos ser, justamente, um povoamento organizado em povoados fortificados de dimensão variável, por vezes com as funções próprias de lugares centrais - os “Castros” e as “Citânias”.

Característica desta cultura, na sua fase final, pré-romana e romana, é uma escultura monumental em granito, com representações de princípes ou heróis - os célebres guerreiros calaicos - e representações de javalis - os berrões - com provável significado tutelar.

Integrando influências claramente centro-europeias, mas também mediterrânicas, a ourivesaria castreja acentua a especificidade e originalidade desta região, através de dois tipos de adornos paradigmáticos: os torques, símbolo de prestígio e poder do chefe guerreiro e a arrecada, a jóia feminina por excelência.
O ANEL E A MOEDAÉPOCA ROMANA
Apesar do afluxo contínuo de ouro a Roma, proveniente, quer da exploração das jazidas auríferas, iniciada sob Augusto (cuja produção anual atingiu 7,800 Kg, havendo dias em que se extraiam 4,300 Kg), quer dos saques dos exércitos romanos, que, só entre 209 e 169 a.C., se traduziram em cerca de 4 toneladas de ouro e 800 toneladas de prata, os romanos não trouxeram inovações sigificativas à ourivesaria peninsular.

Duas categorias de objectos merecem, no entanto, particular destaque: a moeda, maioritariamente em ligas de cobre, mas também em metais nobres (prata ou ouro) e os anéis. Os Romanos parecem ter sido os primeiros povos a utilizarem anéis de noivado e casamento, o “anulus pronubis”, normalmente usado no terceiro dedo da mão esquerda, onde corria a “vena amoris” e são certamente os responsáveis pela vulgarização deste tipo de jóia e pela sua utilização em múltiplas funções: indicadores sociais de prestígio, garantia de representação diplomática, simples adorno, ou com funções mágicas e curativas.

________________________________________
Fonte

4 comentários:

Clara disse...

Recomenda-se uma vista ao Museu do Ouro de Travassos, uma pequena localidade do concelho da Póvoa de Lanhoso. Ver: http://www.museudoouro.com/

O Galaico disse...

Aqui tão pertinho e ainda não visitei. Que falha lamentável do OGalaico!

Lol... Vou ver se dou lá um salto na próxima folga até porque o tempo está propício a visitas!

Clara disse...

Existe uma enorme ligação deste pequeno concelho à cultura castreja. A maioria dos castros foram destruídos, mas ainda são visíveis alguns elementos desta cultura.

(Desculpa, mas hoje os meus comentários andam fragmentados)

O Galaico disse...

Não tens nada que desculpar.

A povoa de Lanhoso tem de facto muitos castros. Tem também um dos poucos que foram museolizados.

Os vales com mais densidade castreja de todo o Noroeste são os Ave e Cávado.

A povoa, fazendo de certa forma parte dos 2 tem uma posição central.

A própria citânia de Briteiros tem vista para a Póvoa de Lanhoso...