sábado, 17 de maio de 2008

Verde. A cor do Norte!


Mês de Maio.

Chuva.

Frio.

Heis o que preocupa as mentes jovens e irrita quem não tem nada que fazer e que anseia pelo sol.

Por entre este problema que enerva as meninas, incomoda os desportistas, põe os agricultores a fazer contas à vida, eu estou feliz.

A chuva recente que se tem prolongado pela primavera pôs o Minho Verde como nunca!

A erva está grossa e viçosa, os Carvalhos (esta arvore Nobre merece maiúscula) brilham por entre as gotas de água que decoram os seus ramos, e a luz está clara e vivaz.

Sinto a terra viva. Vejo-a negra e carregada de fertilidade. Rasgam-na com facilidade e plantam nela sementes de futuro.

Oiço a respirar e isso faz-me sentir seguro. Tal como uma criança se sente segura quando descansa com a cabeça encostada ao peito da mãe.

Como ouvi dizer um velho anónimo que dormitava na esplanada de uma tasca do litoral de Esposende:

3 meses de chuva até Maio nunca fez mal a ninguém. 3 meses de sol já vi eu criar problemas e até mortes pelos regos de água de regar...

Santas palavras.

2 comentários:

zixsix disse...

"mortes pelos regos de água de regar"

E não vai à muito tempo que esse tipo de homicidios aconteciam!

Lembre-mo que na minha infância (que seja à +-20 anos atras) a disputa pelas aguas de regadio ainda era muita!

O Galaico disse...

Caro amigo e compatriota!

Também temos de ter em conta que o pessoal serrano da tua terra é bravo como o corno!

Agora a sério, lembro-me também de algumas disputas na minha terra quando no verão escasseava este bem essencial.

Porém este ano não haveria qualquer problema pois estamos em fins de maio e ela continua a cair!