segunda-feira, 8 de setembro de 2008

Brincadeiras do antigamente!


Perguntei eu ao meu tio enquanto escolhia uns suculentos rojões da travessa de barro e ansiava pelo vinho tinto da malga:

- Então diga lá tio Nel como é que se divertiam antigamente!?

- Ó! De tantas maneiras! Mas éramos tão pobres que só mesmo fazendo asneiras é que nos podíamos divertir!

- Sabes que eu era o mais velho dos irmãos todos e raramente tinha tempo de brincar. Mas isso não quer dizer que não fazia das minhas!

- Olha que por vezes, quando o sol vinha bravo logo de manhã, subíamos uma banda para o monte do Picoto, lá em cima sabes?

-Sei, sei!

- Pronto. Então nós íamos uma uma ceita jeitosa lá para cima, onde há aquelas Lajes grandes de pedra, mesmo na crista do monte.

- Fazíamos um cerco e começávamos a bater com as chancas. As chancas eram aqueles socos baratos feitos de pau e cortiça. Batíamos e começávamos a levantar os penedos, pedras e pedrinhas todas!

- Mas porque é que faziam isso? Perguntei.

Nós íamos lá para cima para apanhas sardões! Eles normalmente punham-se ao sol ali nas Lajes! Ora bem, nós apanhávamos-los quase todos!

- Mas para que raio queriam estes bichos?

- Óh! Eu sei lá. Eramos moços! Só fazíamos asneira. Normalmente agarrávamos neles e fazíamos um laço na cabeça. Atávamos o laço a um pau e andávamos na rua como se fossem cães... (!)

- E lá íamos nós pela rua, uma banda de 10 ou 20, todos a passear sardões pelos lugares da freguesia...

- Ahahahaha! Esta tá boa! Passear sardões como se fossem cães! Ahahahaha!

- Olha mas o melhor nem é isso. O melhor eram as mulheres!

- Que tem as mulheres?

- Eu sei lá. Naquele tempo parece que uma mulher não podia mexer em sardões. Nós passávamos de propósito nos sítios onde elas andavam! Nos tanques, na beira dos ribeiros, se fosse ao fim de semana, pelo cemitério e igreja etc.

- Elas berravam, fugiam e por vezes nós é que tínhamos de fugir a correr porque elas tinham vergastas e aquilo doía como o corno! Aiaia! Pelas costas abaixo não era brinquedo!

- Mas quando elas vinham atrás de nós também tinha graça! Agarrávamos os sardões e atirávamos-los com eles! Ahahaha! Aí é que as mulheres e moças berravam!Muitas até os valados desciam aos tombos para não serem tocados por eles!

- Mas e depois? Ninguém vos castigava?

- Ai não castigavam! Eu nem a casa voltava com medo! Passava dias a dormir dentro das medas com medo do paizinho! A mãezinha é que depois, com pena, vinha me buscar À noite quando ele estava a dormir. Senão eu não ia para casa!

- Ahahaah! Que peça!

- Peça? Eu? O "Tónio Ganito" é que era peça! Andava sempre com sardão um no bolso e quando ia para a escola andava sempre com ele. Quando a professora vinha para lhe bater, ele tirava a cabeça do bolso que ela dava um pincho atrás e benzia-se logo! Nunca lhe bateu com medo aos sardões!

- Então porque é que o tio Nel também não andava com um?

- Eu bem queria! Mas o meu sardão era outro! E isso porque nunca tive umas calças que não tivessem os bolsos furados!

- Ahahahah! ESTÁ BOA! Bebo a essa!

2 comentários:

zixsix disse...

conta-se na terra que uma vez, aconteceu um homem adormecer deitado na erva de um campo.

e dormia de boca aberta.

entretanto uma cobra estava prestes a entrar pela boca do homem quando apareceu um sardão que bateu com a cauda na cara do homem fazendo com que ele acorda-se e se livra-se da cobra!

esta é uma estória que se conta para atestar que os sardões são protetores do homens, mas por outro lado diz-se que os sardões "atentam-se" com as mulheres!

quando a mulher está "indisposta" (menstruação) deve fugir dos sardões porque se não este atentan-se a subir pelas pernas acima!

conta-se também a seguinte estória:

estava uma virginal rapariga sentada num valado a falar com o seu namorado.

e veio um sardão que se enfiou lá no sitio da rapariga, e ficou de tal maneira preso que ela não o consegui soltar!

o namorado ao ver a aflição, usou da sua força e das proprias mãos para tirar os bicho lá do sitio!

e foi assim que uma pobre rapariga perdeu a sua honra!

o final feliz é que esse namoro, apesar da tragédia, acabou por resultar em casamento!

esta estória é mais um conto para dissimular algumas verdades intrinsecas aos namoros da altura!

O Galaico disse...

Ehehe... Se a outra também teve um filho sendo virgem porque é que não podem as pessoas acreditar que os Sardões é que tiram a virgindade às Mulheres!