quarta-feira, 9 de julho de 2008

O Triskel ou Suástica Galaica!


Este é o maior símbolo da nação Galaica.

Uma manifestação inequívoca da nossa etnia e um ícone primordial da cultura do Noroeste Ibérico. O Triskel aparece gravado nas pedras milenares dos castros Galegos, Minhotos, Durienses e Transmontanos. Também os vemos nas Astúrias e na Cantábria ou seja, em toda a área que Estrabão (geógrafo Grego ao serviço do maldito império romano) definiu como sendo a Cultura Castreja:

"Assim vivem as populações montanhosas. Falo das que se seguem ao longo da costa norte da Ibéria, os Callaïcos, os Asturos e os Cantabros, até ao país dos Bascos e os Pirineus. Todos vivem da mesma maneira. "

Estrabão, Geografia, III, 3, 5-7

Este símbolo não é exclusivo dos povos Celtas. Na verdade, em muitas outras culturas mundiais eles aparecem representados. No entanto, o que os torna especiais na área Galaica é o facto de serem a prova concreta da existência de um povo com a mesma cultura.

Apesar de Martins Sarmento dizer que só não os encontrávamos em território lusitano porque ninguém os procurava, a verdade é que ninguém os topou porque não estão lá.

Assim, o Triskel é a marca que demonstra a entidade Galaica já existente centenas de anos antes da Romanização. O Triskel é o testemunho físico da pertença a um povo: Os Callaicos!

Mas o que representa este símbolo? Muitos de nós já o vimos em tatuagens e o associamos à simbologia Celto-Atlântica Europeia mas quantos pararam para pensar o que representava ele para estas populações?! Por certo, devido às muitas esculturas que até nós chegaram e, inclusivamente, algumas na idade média fruto da continuação dos rituais e símbolos pagãos na era cristã, estes tinham um profundo significado!

Pensa-se que possa representar as 3 Deusas principais do panteão Céltico. Sem dúvida é um símbolo solar que representa o movimento e as fases da Vida e do Dia.

Nascer, Viver e Morrer. Assim faz o sol e assim corre o dia e as nossas vidas. A própria estrutura do símbolo dá a sensação de movimento como se ninguém pudesse parar este constante desenrolar do tempo.

Existem vários tipos de Suásticas Galaicas. O Triskel é a máxima representação mas, outros há com 4 braços, 5, 6, 7 etc. O exemplo abaixo nos provém da Sé de Braga. E frequente observar no românico Galaico da alta idade média bastantes símbolos oriundos das crenças étnicas da idade do ferro. Nada de especial tendo em conta que os romanos fundiam todas as culturas na sua e, consequentemente, no cristianismo.


O primeiro Triskel foi fotografado nos balneários castrejos de Briteiros. Ali mesmo onde se produziam rituais de transição. Isto está em total concordância com a simbologia do ícone. Muitos outros, como este flamejante exemplar propriedade da sociedade Martins Sarmento, é originário de uma laje funerária o que, obviamente, também representa a passagem para outro nível.


Resumindo, o culto ao sol, a maneira de como a vida se regia por ele era retratado na vida espiritual das populações Galaicas.

O Triskel e as Suásticas são a bandeira do povo Galaico!

4 comentários:

zixsix disse...

magnifico post... já peca pela demora.

Simbolo digno de uma tatuagem!

Também se pode ver alguns triskeis nas portas dos espigueiros do minho, funcionando como adorno.

Contudo eram utilizados não pelo significado mas como um elemento estético, assim como o foi nas igrejas e outros monumentos sagrados.

Maria disse...

"mas quantos pararam para pensar o que representava...?! "

Suponho que isso seja tudo o que se pode pedir. Nem sei bem porque é que o post me entristeceu...

Galaico, Zixsix, não se iludam: a mudança entre a visão estética e a visão cultural não é lá muito grande. :(

A nossa mente é apenas uma ferramenta, temos outras. Temos os nossos sentidos. Não digo que não usemos a mente, que não procuremos os significados, digo apenas que não devemos considerar esse tipo de conhecimento exclusivo.

Por favor, da próxima vez tentem sentir o triskel gravado na pedra. Sentir, não apenas racionalizar...

Ou para a vossa mente moderna este tipo de pedido é já demasiado ridículo?...

O Galaico disse...

Maria, nós sentimos o símbolo.

A prova é esta nossa paixão pela cultura do Noreste Iberico e toda as vertentes da história.

Eu e o Zisix já visitamos muitos castros e sempre sentimos algo de especial nestes locais.

No entanto os sentimentos tem de ser racionalizados para poderem ser interpretados.

De que vale amar alguém se não tentares descobrir o que este sentimento significa?

Do que vale ser-se atraído por este símbolo étnico-cultural se não souberes o seu propósito?

Anónimo disse...

Bonito simbolo, de alguns dos antepassados dos portugueses.